Escola de Teatro Célia Helena Professor EM CARTAZ | "Palhaços" com Dagoberto Feliz e Danilo Grangheia

EM CARTAZ | “Palhaços” com Dagoberto Feliz e Danilo Grangheia

Há 10 anos, estreou a peça “Palhaços” com Dagoberto Feliz,  professor do Célia Helena, e Danilo Grangheia. Sucesso de público e crítica a peça volta para duas apresentações comemorativas.  Confira abaixo crítica do jornalista Rodrigo Monteiro na íntegra.

O mais sublime na montagem de “Palhaços”, do dramaturgo brasileiro Timochenko Wehbi (1943 – 1986), é a sensação de jogo impressa pelo diretor Gabriel Carmona na contracena realizada pelos atores Danilo Grangheia e Dagoberto Feliz. A todo o momento, vemos que um dos personagens parece dominar a cena quando um pequeno gesto do outro retira-lhe a atenção e consequentemente o poder. Fisgado por essa relação, cada vez mais equidistante, paralela e sempre mais próxima, o público avança em fruição rumo ao desfecho que acontece (?) de forma sublime. Uma peça “de ator”, o espetáculo é um grande desafio para os intérpretes que, nesse caso, vencem e, por isso, nos presenteiam. O projeto estreou há 8 anos, em São Paulo, e têm enchido o Teatro Poerinha. É preciso organizar-se para não perder antes que saia de cartaz.


O comerciante Benvindo invade o camarim do circo após a última apresentação. Ele vem cumprimentar o Palhaço Careta, de quem é fã. Na conversa, as histórias de um e de outro vêm à tona, exibindo as distâncias e as proximidades existentes entre os dois homens, ambos metáfora dos homens que lhes assistem na plateia. Toda a cena se dá dentro desse camarim, antessala para o palco ou para o picadeiro que é o mundo na bela dramaturgia de Wehbi. 

É verdade que não há muito o que se esperar do personagem de Careta (Dagoberto Feliz), pois o personagem de Palhaço faz parte do imaginário popular. O ator, com excelência, porém surpreende, porque, em suas quebras, oferece um outro tipo de ironia que não é simplesmente cômica ou ingênua, mas conscientemente ácida. Neste texto, o desafio maior está na composição do personagem de Benvindo: ele precisa ser páreo para a figura carismática do palhaço. Na montagem dirigida por Carmona, Grangheia está excelente. 

Danilo Grangheia exibe um trabalho de interpretação que é honradamente comparável ao de Cacá Carvalho, sobretudo no que diz respeito ao riquíssimo uso da voz. A voz é um signo que se torna teatral através de vários elementos, cuja (boa) exploração é infelizmente rara. Há diversos níveis tonais entre grave e agudo, volumes entre o grito e o sussurro, entonações entre fortes e fracas, ritmos entre rápido e pausado, constante ou não-linear. E há também os silêncios e as pequenas pausas. Grangheia usa (e abusa) de todos esses usos, articulando com louvor todos eles a outros elementos expressivos faciais e corporais. Seus olhares são circulares (as pupilas de seus olhos giram, fugindo e marcando um sentido que o espectador (atento) há de ler), seu rosto está dirigido em diagonal para baixo, seus ombros estão voltados para dentro e caídos e suas mãos são postas uma sobre a a outra. Em alguns momentos, Benvindo se abre para uma possibilidade proposta por Careta, mas, em seguida, vem a retração novamente. Esse jogo de vai e vem marca a fisicamente a presença do personagem que o intérprete dá a ver. A excelência do trabalho de Grangheia faz vir à superfície uma figura obscura que, posta ao lado do colorido do palhaço, estabelece um embate de igual para igual. E é essa equivalência que garante a emoção do jogo. 

Não menos excelente que cada bom uso das múltimas possibilidades dos elementos relacionados apenas à voz em cena, estão os usos do cenário (Flávio Tolezani), do figurino (Daniel Infantini), da trilha e da iluminação (Erike Buzoni). Em conjunto, um a um, vão fazendo a sua parte na construção de um todo que é uniforme, mas não redundante. Assim, ‘Palhaços ‘oferece vários níveis de fruição e consequentemente lugares de respiro que propiciem a reflexão para o que está se está vendo. Das ranhuras aos objetos de cena ao colorido das lâmpadas, da gravata larga à música de abertura, o todo se manifesta com potência em cada parte, explicando o sucesso de oito anos dessa montagem que orgulha o teatro nacional. 

Em todos os aspectos, ‘Palhaços’ é uma aula. Para nós, não atores ou pessoas não envolvidas com o fazer teatral, é sobretudo uma lição sobre nós mesmos. “
PALHAÇOS
De Timochenko Wehbi.
Direção: Gabriel Carmona
com Dagoberto Feliz e Danilo Grangheia
apresentações em comemoração aos 10 anos da estreia da peça.
apenas dias 15(sábado) às 21h e 16 (domingo) às 19h
no GALPÃO DO FOLIAS – Rua Ana Cintra, 213 – Santa Cecília. São Paulo, SP.

Duração: 70 minutos
Recomendação: 14 anos

Quer saber mais sobre nossos cursos? Cadastre-se e receba as novidades.




Page Reader Press Enter to Read Page Content Out LoudPress Enter to Pause or Restart Reading Page Content Out LoudPress Enter to Stop Reading Page Content Out LoudScreen Reader Support
Icone WhatsApp