Escola de Teatro Célia Helena Notícias 2ª Semana Arte e Sociedade

2ª Semana Arte e Sociedade

Diálogos interdisciplinares

A 2ª Semana Arte e Sociedade abre o semestre letivo do Célia Helena com diálogos interdisciplinares. Trazemos encontros sobre tópicos da cultura brasileira em conversas com parcerias internacionais que vêm conosco pensar o panorama da composição artística atual. Falaremos de assuntos que vão do espaço aberto (open space, natureza e cidade) até a reflexão sobre a arte cênica nascida na pura dramaturgia textual (Shakespeare), vislumbrando também nossas raízes (Dança afro) e a consolidação de novas vertentes na cena contemporânea (o Slam). Assim, iluminamos um discurso plural que escuta, olha e sente o aroma e o toque de um tempo presente e diverso, multifacetário, complexo, enxergando um futuro melhor por meio da arte e da diversidade cultural.

Alguns eventos são abertos ao público e outros exclusivos para nossas alunas e alunos.

Performing open space: the city and the nature
Com Sara Erlingsdotter
4 de agosto de 2020, às 11h
(evento exclusivo para alunos)

No encontro serão compartilhados pensamentos e experiências sobre como a arte performática pode interagir com a paisagem e a mudança climática, assim como consegue criar espaços abertos nas cidades, mesclando-se a elas, fazendo parte dos processos de planejamento e desenvolvimento urbano.

Sara Erlingsdotter é diretora, pesquisadora artística e professora. Natural da Suécia, seu trabalho é caracterizado por um forte foco na abordagem interdisciplinar, além do interesse em desenvolver interações entre as artes cênicas com o público e a sociedade. Já dirigiu mais de quarenta projetos para teatro e, nos últimos dez anos, suas atividades concentram-se no encontro entre música, teatro e paisagem/arquitetura, criando novos espaços de performance e lugares de encontro. Atualmente, desenvolve o Studio PAL (Performing Arts and Landscape), um projeto internacional com foco em como as artes performáticas e a paisagem/arquitetura podem se integrar em encontros artísticos.

O link de inscrição para este webinar está disponível no Portal do Aluno.

Aula “Dança afro – Reacender”
Com Solange Ferrera
5 de agosto de 2020, às 11h e às 17h
(evento exclusivo para alunos)

Um encontro especial para conhecer e vivenciar a prática da dança afro e observar a sua aplicabilidade no processo de conscientização corporal e da diversidade étnica e cultural. As raízes africanas e sua presença na formação da nossa identidade cultural são evidentes e estão entrelaçadas por costumes e diversificadas manifestações no território brasileiro.

Solange Ferrera é bailarina, coreógrafa, professora e arte-educadora. Ela é formada em Educação Física, balé clássico, jazz e pós-graduada em Dança e Conscientização Corporal. Concluiu especialização na Cia. Alvin Ailey (Nova Iorque – EUA) e na Danceability (São Paulo – SP). Solange é conselheira do Centro Cultural Africano e diretora da Cia Tribo. Possui trabalhos assinados por Zé Celso, Ulisses Cruz, Chico Espinosa, Eduardo Caetano, Ramiro Silveira, entre outros.

Os links para estas aulas estão disponíveis no Portal do Aluno.

Nossa Senhora das nuvens
De Aristides Vargas
Leitura dramática dirigida por Hugo Villavicenzio
6 de agosto, quinta-feira, às 9h e às 15h (evento exclusivo para alunos)

Elenco: Ana Elisa Ferreira, Clarissa Chaves Xavier, Gabriela Mota, Lana Carine, Lívia Giogia, Luísa Ascenção, Madu Arakaki, Mateus Vicente, Mateus Vicente, Milena Tomaz e Ton Carbones.

Bruna e Oscar são dois exilados latino-americanos que vivem sucessivos encontros à procura do seu passado e de si mesmos. O autor elimina as noções de tempo e espaço criando, assim, um clima de reminiscências surrealistas que emoldura as confidências dos protagonistas. Eles lembram episódios marcantes de suas vidas, na época em que moravam em um país imaginário chamado Nossa Senhora das nuvens. A peça fala sobre exílio, amor e lembranças. Mostra as diferentes formas de desterro a que é submetido o homem que tem de abandonar seu país e sua cultura.

Arístides Vargas nasceu na cidade de Córdoba (Argentina) em 1954 e aos dezessete anos fez sua estreia como ator. Foi para o Equador com vinte anos, vítima do exílio imposto pela ditadura em seu país. Fixou-se definitivamente em Quito, onde mora atualmente e fundou o grupo Malayerba, uma das mais importantes instituições do Teatro Latino-americano contemporâneo. Como dramaturgo, escreveu, entre outras peças, Jardim de polvos (premiada como o melhor espetáculo em Puerto Rico, no ano de 1997, e no Festival de Manizales, na Colômbia, em 1998); Pena (melhor espetáculo na Costa Rica, em 1999); e Nossa Senhora das nuvens, que ganhou o prêmio de melhor peça estrangeira no Festival de Havana (Cuba), em 2001, e acumulou os prêmios de melhor peça, montagem e interpretação do Festival de Teatro Alternativo de Barcelona (Espanha), no mesmo ano. Suas peças foram publicadas no Equador, Cuba, Espanha, Estados Unidos e traduzidas para o português, francês e inglês.

Os links de inscrições para estas leituras estão disponíveis no Portal do Aluno.

O Slam na cena contemporânea
6 de agosto de 2020, às 19h30 (evento aberto ao público)
Desenvolvido pelo Célia Helena em parceria com o Música-encontro
Convidados: Roberta Estrela d’Alva e Daniel Minchoni
Mediação: Luaa Gabanini

Um encontro on-line com a atriz-MC Roberta Estrela D’Alva e com o poeta Daniel Minchoni para conversar sobre a trajetória dos slams de poesia no Brasil, abordando como seus aspectos performáticos e caráter político-poético dialogam com o momento histórico atual.

Roberta Estrela D’Alva é atriz-MC, diretora, pesquisadora, diretora musical e slammer. Membro fundadora do Núcleo Bartolomeu de Depoimentos, Teatro Hip-Hop e do coletivo transdisciplinar Frente 3 de Fevereiro. É idealizadora e slammaster do ZAP!, primeiro poetry slam brasileiro (campeonato de poesia), e curadora do Rio Poetry Slam-FLUP, pioneiro poetry slam internacional da América Latina. Em novembro de 2014, publicou seu primeiro livro: Teatro Hip-Hop – a performance poética do ator-MC. Com Tatiana Lohmann, dirigiu o documentário SLAM – Voz de levante. Ao lado do escritor Marcelino Freire, Roberta é curadora da nova sala Falares do Museu da Língua Portuguesa. Recebeu o prêmio Shell de melhor atriz em 2012 por sua atuação no espetáculo Orfeu mestiço, uma hip-hópera brasileira, e o de melhor música em 2020 pelo espetáculo Terror e miséria no terceiro milênio – improvisando utopias, juntamente com Dani Nega e Eugênio Lima.

Daniel Minchoni é artista da fala. Fundou o Poesia Esporte Clube; Jovens escribas (RN); Sarau do burro, burruído, selo do burro, nolombo e nolombinho; Cabaret revoltaire; Menor slam do mundo; Slam do corpo; e Phala’cia, núcleo permanente de pesquisa em performance e fala poética (SP). Seus livros são: Escolha o título (2006); Iapois poisia; Ouvivendo e carnevais (2013); Nos be gods de olavo (2014); Ex-porro; Poema sugo (2014); e Rosário de boatos ou trancelim de outros.

Inscreva-se

Após a inscrição, você receberá um e-mail de confirmação contendo informações sobre como entrar no webinar.

Ron Daniels, sobre Lear, sobre Shakespeare
7 de agosto de 2020, às 19h30
(evento aberto ao público)
Convidado: Ron Daniels
Mediação: Marco Antonio Rodrigues

Neste encontro, os participantes conhecerão o mundo de William Shakespeare (poeta, dramaturgo e ator inglês) por meio do olhar do diretor Ron Daniels – estudioso e encenador de diversas peças dessa lenda da dramaturgia mundial. No Brasil, Ron teve um papel muito importante: foi um dos fundadores do Teatro Oficina e já dirigiu Raul Cortez em Rei Lear, além de peças como HamletMacbeth e Medida por Medida.

Ron Daniels é um ator e diretor brasileiro reconhecido internacionalmente. Em 1977, foi nomeado diretor artístico do teatro The Other Place, da Royal Shakespeare Company, e, depois de 15 anos dirigindo inúmeras peças como Hamlet, Sonhos de uma noite de verão e Henrique V, conquistou o cargo de diretor associado honorário da companhia. Ron também trabalhou como diretor artístico associado do American Repertory Theatre em Cambridge, Massachusetts (EUA), e como chefe do Institute for Advanced Theatre Training da Universidade de Harvard (EUA), onde deu aula de atuação e direção. No campo do teatro musical o seu trabalho é extenso e muito renomado. Ele já dirigiu peças apresentadas em teatros como Houston Grand Opera, Opera Pacific, Michigan Opera Theatre, Theatro Municipal do Rio de Janeiro, Opera Theatre of Saint Louis, entre muitos outros. No Brasil, teve um papel muito importante: foi um dos fundadores do Teatro Oficina e já dirigiu Raul Cortez em Rei Lear, além de peças como Hamlet, Macbeth e Medida por Medida.

Inscreva-se

Após a inscrição, você receberá um e-mail de confirmação contendo informações sobre como entrar no webinar.

Quer saber mais sobre nossos cursos? Cadastre-se e receba as novidades.




Page Reader Press Enter to Read Page Content Out LoudPress Enter to Pause or Restart Reading Page Content Out LoudPress Enter to Stop Reading Page Content Out LoudScreen Reader Support
Icone WhatsApp