Um artista completo

O audiovisual brasileiro se despede de Julio Calasso. Em sua insaciável fome de aprendizagem e de troca criativa, Julio cursava a pós-graduação em Dramaturgia do Célia Helena (da qual bem poderia ter sido professor), sempre defendendo a importância do cinema brasileiro.

Julio nasceu em São Paulo, em 1941 e faleceu em 11 de junho de 2021. Com uma longa carreira, atuou como ator, roteirista, produtor e diretor de teatro e cinema.

Em 1964, começou a ter aulas de interpretação com Eugênio Kusnet  atuando na  peça Um caso em Irkutsk, de Aleksei Nikolaevič Arbuzov, dirigida por Kusnet no Teatro Oficina em 1965. Calasso frequentava também o Cineclube do Centro Dom Vital. Em 1965, foi assistente de Geraldo Sarno no documentário Viramundo, Em 1968, atuou e trabalhou em O Bandido da Luz Vermelha, de Rogério Sganzerla.

Foi o diretor de filmes como Longo Caminho da Morte, em 1972 em que atuaram Dionísio Azevedo e Othon Bastos e Plínio Marcos – Nas Quebradas do Mundaréu, com  Tônia Carrero,  em 2015.

Foi o idealizador de diversas mostras, como Cinema de Invenção e Cinema Negro.  Julio costumava se apresentar como “um cineasta que filmara menos do que queria ter filmado”.

    Quer saber mais sobre nossos cursos? Cadastre-se e receba as novidades.





    Page Reader Press Enter to Read Page Content Out Loud Press Enter to Pause or Restart Reading Page Content Out Loud Press Enter to Stop Reading Page Content Out Loud Screen Reader Support
    Icone WhatsApp