Escola de Teatro Célia Helena Inglês Professor em cartaz Célia Helena em cartaz! Fernando Fecchio com "A Geladeira"

Célia Helena em cartaz! Fernando Fecchio com “A Geladeira”

O Ex-aluno Fernando Fecchio reestreia a peça “A Geladeira” amanhã, dia 17, no Parlapatões. A peça fica em cartaz aos sábados e domingos até o dia 1º de março.

 



Fernando intepreta este monó­logo  com texto do argentino Copi diri­gido pelo pre­mi­ado dire­tor e ator Nel­son Bas­ker­ville –  que também já foi professor aqui no Célia Helena.
Na peça, um homem acorda na manhã de seu 50º ani­ver­sá­rio e encon­tra uma gela­deira no meio da sala. A par­tir dela “L” vê sal­tar de seu pas­sado figu­ras como a mãe, a empre­gada, a psi­ca­na­lista, seu cão e até um rato que mora em seu armá­rio. Todos repre­sen­ta­dos por um único ator nesta peça non sense do argen­tino Copi (pseudô­nimo de Raúl Damonte Botana, 1939–1987) em que a exis­tên­cia humana se recusa a se fixar em um único lugar e em que os papéis soci­ais, a sexu­a­li­dade e a sub­je­ti­vi­dade apa­re­cem em pleno trânsito.
Nel­son Bas­ker­ville foi espe­ci­al­mente con­vi­dado pelo Cen­tro Cul­tu­ral São Paulo para diri­gir a peça para estreia no Fes­ti­val Mix Bra­sil, que vem nos últi­mos anos ganhando cada vez mais força tra­zendo a cena espe­tá­cu­los que dis­cu­tam temas rela­ci­o­na­dos ao seg­mento LGBT e de inte­resse amplo à soci­e­dade. O dire­tor, cuja car­reira vem sido reco­nhe­cida e con­so­li­dada pelo seu olhar para extre­mos soci­ais e de com­por­ta­mento, ficou impac­tado com o texto de Copi e enten­deu sua potên­cia e urgên­cia em tem­pos de tama­nha into­le­rân­cia gerada pela homofobia.
Desde o sucesso do docu­men­tá­rio cênico “Luis Antonio-Gabriela” (2011), seu nome vem sendo asso­ci­ado a pro­je­tos de cunho bio­grá­fico e polí­tico e assim a con­fluên­cia e inter­lo­cu­ção com a obra do autor franco argen­tino não pode­ria ser maior. Copi escre­veu, diri­giu e atuou em mui­tas de suas peças e todas são impreg­na­das por rela­tos, his­tó­rias, per­so­na­gens e situ­a­ções vivi­das por ele, sua famí­lia e ami­gos. Sua obra se carac­te­riza pelo viés sur­re­a­lista, o humor e uma grande vio­lên­cia trans­gres­sora, além da crí­tica bru­tal à soci­e­dade con­tem­po­râ­nea. Seus per­so­na­gens têm como traço fun­da­men­tal certo exa­gero, típico da cari­ca­tura, sendo este um impor­tante arti­fí­cio usado por Copi para vis­lum­brar a rea­li­dade de forma aumen­tada, em todos os seus contornos.
Impor­tante ati­vista do movi­mento LGBT, seus pro­ta­go­nis­tas são mutan­tes, vivem e expres­sam a homo(sexualidade) de forma des­me­su­rada em todas as ver­ten­tes. Com a sua radi­cal liber­dade cri­a­dora, Copi se per­mite dese­nhar com pala­vras, ato­res e per­so­na­gens e, a par­tir daí, pro­mo­ver um fundo ques­ti­o­na­mento sobre a con­di­ção humana. Em sua obra há uma iro­nia deli­rante, um humor ácido, certo cinismo feroz, mas tam­bém a ine­gá­vel poe­sia: a espe­rança, a audá­cia, o amor, o pra­zer, a vio­lên­cia, a melan­co­lia, enfim: a vida.
Para Nel­son “A Gela­deira” “É uma peça com alguns fun­dos fal­sos. A medida que você acha que atin­giu alguma pro­fun­di­dade o autor revela outros fun­dos, levando o espec­ta­dor aos pou­cos para trás e para baixo das cama­das super­fi­ci­ais que envol­vem a vida e as rela­ções pes­so­ais. Escrito em uma época em que pou­cos auto­res tinham cora­gem de tocar temas tabus, “A Gela­deira” o faz de maneira sutil e nos dá e impres­são de estar­mos assis­tindo a uma comé­dia com­por­ta­men­tal que trata a homos­se­xu­a­li­dade da forma que esta­mos mais acos­tu­ma­dos até hoje: engra­çada e cheia de cli­chês. Porém, con­co­mi­tan­te­mente a toda a apa­rente leveza, Copi nos pro­por­ci­ona uma refle­xão pro­funda e arre­ba­ta­dora sobre a arte e a vida”.
O ator Fer­nando Fec­chio con­si­dera que pro­ta­go­ni­zar “A Gela­deira” seja o tra­ba­lho mais desa­fi­a­dor de sua car­reira. Ele já havia tra­ba­lhado com Bas­ker­ville em “Camino Real” e “17X Nel­son — Parte I, O Inferno de Todos Nós”, da Anti­Ka­tár­tiKa Tea­tral (AKK) e o con­vite para este pro­jeto, que retoma ofi­ci­al­mente a pro­du­ção da Com­pa­nhia, se mos­trou “ um desa­fio enorme por levar aos pal­cos o uni­verso avas­sa­la­dor de Copi, sua obra e sua tão rica bio­gra­fia. Este espe­tá­culo exige uma atu­a­ção ágil e ver­sá­til e me sinto muito ins­ti­gado como intér­prete gra­ças à dire­ção pre­cisa, pon­tual e por­que não dizer trans­gres­sora que Nel­son Bas­ker­ville emprega para a con­du­ção desse trabalho”.
A con­cep­ção visual do espe­tá­culo dia­loga com a esté­tica do fotó­grafo David Lacha­pelle, com uma ceno­gra­fia impreg­nada por cores vibran­tes. A gela­deira que dá título à peça está repre­sen­tada por um modelo ver­me­lho, vin­tage, e dia­loga com outros ade­re­ços que com­põem uma atmos­fera oní­rica, cômica e com certa deca­dên­cia. A tri­lha sonora com­ple­menta a esté­tica do espe­tá­culo atra­vés de com­po­si­ções clás­si­cas de artis­tas como Barry Mani­low, Queen e Love Unli­mi­ted Orchestra.
 
Fer­nando Fecchio
 
Natu­ral de São Paulo, Fer­nando Fec­chio é ator e bai­la­rino for­mado pelo Tea­tro Escola Célia Helena e pela FMU em Edu­ca­ção Física, estreou no tea­tro em 1999 com a peça “TE AMO AMAZÔNIA”, de Paulo César Cou­ti­nho e dire­ção de Lúcia Bar­roso, em 2000 for­mou com outros onze ato­res e sob a dire­ção artís­tica de Mar­celo Laz­za­ratto a “Cia Ele­va­dor de Tea­tro Pano­râ­mico” e a peça de estreia foi “UMA PEÇA POR OUTRA”, de Jean Tar­dieu na Sala Jar­del Filho do CCSP. Em 2001 “A ILHA DESCONHECIDA” de José Sara­mago e “REI LEAR”, de Wil­liam Sha­kes­pe­are, com dire­ção de Ron Dani­els – ainda com a Cia Ele­va­dor tra­ba­lhou nos espe­ta­cu­los “A HORA EM QUE NÃO SABÍAMOS NADA UNS DOS OUTROS”, de Peter Handke em 2002 e “AMOR DE IMPROVISO” em 2003 –alem do longa metra­gem “SEJA O QUE DEUS QUISER” , de Murilo Sal­les – em 2005 o atuou em “CAMINO REAL” de Ten­nes­see Wil­li­ams, com a Cia Anti­ka­tár­tika e dire­ção de Nel­son Bas­ker­ville – em 2006 “17XNELSON O INFERNO DE TODOS NÓS” , base­ado na obra de Nel­son Rodri­gues tam­bém com Anti­ka­tár­tika Tea­tral e dire­ção de Nel­son Bas­ker­ville -“NA CAMA COM TARANTINO” da Cia De Tea­tro Rock, dire­ção de Fezu Duarte e Fabio Ock . Em 2007 “O HOMEM A BESTA E A VIRTUDE” de Luigi Piran­dello, dire­ção de Mar­celo Laz­za­ratto -“SONHO DE UMA NOITE DE VERÃO” de Wil­liam Sha­kes­pe­are com a Cia da Revista, dire­ção de Kle­ber Mon­ta­nheiro. Em 2008 atuou no musi­cal infan­til “A PEQUENA SEREIA” com a Cia Do Pátio, dire­ção de Isser Korik –2009 “UM DIA QUASE IGUAL AOS OUTROS” de Dario Fo, dire­ção de Neyde Vene­zi­ano e no seri­ado “DESCOLADOS” pro­du­zido pela Mixer para a MTV. Em 2010 “PORNÔ FALCATRUA 18.633” de Irvine Welsh, dire­ção de Gus­tavo Machado e “QUARTO DO NADA” de Fer­nando Cey­lão, dire­ção de Luci­anno Maza. Em 2011 pro­du­ziu e atuou na peça “SERPENTEVERDE SABOR MAÇÔ de jo Bilac com a Cia Das Tre­vas e dire­ção de Lavi­nia Pan­nun­zio. Em 2012 inte­grou o elenco de “QUEM TEM MEDO DE CURUPIRA?” texto e músi­cas de Zeca Baleiro e dire­ção de Débora Dubois. Em 2013 “TROPA DEELITE” de Gue­mi­nho Ber­nar­des , “O BURGUÊS FIDALGO “ de Molière, “CLÁSSICOS DO CIRCO” e “TOTALMENTE PASTELÃO” de Hugo Pos­solo com a Cia Par­la­pa­tões e dire­ção artís­tica de Hugo Pos­solo. Ainda em 2013 estreou o espe­tá­culo de dança infan­til “UMA TRILHA PARA SUA HISTÓRIA” de Gus­tavo Kur­lat e core­o­gra­fias de Dafne Michel­le­pis e Marina Caron. Em 2014 atuou no longa metra­gem “A COMÉDIA DIVINA” (Base­ado no conto “A Igreja do Diabo” de Machado de Assis) e dire­ção de Toni Venturi.
 
“A GELADEIRA”
Autor: Copi. 
Dire­ção: Nel­son Bas­ker­ville.
Elenco: Fer­nando Fec­chio
Espaço Par­la­pa­tões. Ende­reço: Praça Fran­klin Roo­se­velt, 158 — Con­so­la­ção, SP (11) 3258–4449. Tem­po­rada: De 17 de janeiro a 1 de março. Sába­dos às 22h00 e Domin­gos às 21h00. Ingresso: R$ 40,00. Dura­ção: 50 minu­tos . Clas­si­fi­ca­ção Indi­ca­tiva: 14 anos. Horá­rio de Fun­ci­o­na­mento da bilhe­te­ria:terça a quinta
das 16h às 21h.
Sexta e Sábado 
das 16h à meia-noite. 
Domingo das 16h às 20h 
Tel.: (11) 3258 4449. Ven­das online: Ingresso Rápido www.ingressorapido.com.br


Assis­tente de dire­ção: Thais Medei­ros. 
Assis­tente de movi­mento: Erika Puga
Pre­pa­ra­ção cor­po­ral: Tutto Gomes
Figu­rino: Mari­chi­lene Arti­sevs­kis. 
Cená­rio: Amanda Viera e Nel­son Bas­ker­ville. 
Ade­re­cista: Amanda Vieira. 
Boneca ade­reço: Mar­cela Donato. 
Visa­gismo: Emi Sato . 
Ilu­mi­na­ção: Wag­ner Freire. 
Tri­lha Sonora: Daniel Maia e Nel­son Bas­ker­ville.
Assis­tente Téc­nico: Felipe Jóia
Fotos: Sossô Parma e Raul Zito. 
Apoio teó­rico: Renata Pimen­tel.
 Pro­du­ção: Fer­nando de Mar­chi –De Mar­chi Pro­du­ções.
Cri­a­ção: Anti­Ka­tár­tiKa Tea­tral (AKK). 
Dura­ção: 50 minutos

 
Ser­viço
Page Reader Press Enter to Read Page Content Out Loud Press Enter to Pause or Restart Reading Page Content Out Loud Press Enter to Stop Reading Page Content Out Loud Screen Reader Support
Icone WhatsApp