Escola de Teatro Célia Helena Inglês Notícias Pós-graduados pelo Célia comentam impactos pessoais e profissionais do curso

Pós-graduados pelo Célia comentam impactos pessoais e profissionais do curso

Especializações em Atuação, Direção e Dramaturgia têm inscrições abertas até a primeira semana de abril

Em setembro de 2014, o mundo acompanhou o desaparecimento de 43 jovens na cidade mexicana de Iguala. O grupo viajava à região para fazer um protesto político. O objetivo não foi cumprido: os manifestantes foram sequestrados e mortos por narcotraficantes. Em 2015, os pais desses jovens rodaram a América Latina para divulgar o crime, e, quando no Rio de Janeiro, passaram pelo conflituoso Complexo do Alemão.

A arte previu a vida. Aluna do programa de pós-graduação em Dramaturgia do Célia Helena, a jornalista Sílvia Garcia já trabalhava em um texto sobre pessoas que perderam filhos de forma violenta. Em sua pesquisa, chegou ao grupo de Iguala e, no enredo, provocou justamente o encontro dos pais mexicanos com a comunidade carioca.

Sílvia participou de ato, em São Paulo, pelos 43 jovens desaparecidos em Iguala – FOTO: ACERVO PESSOAL

“A história se materializou”, diz a dramaturga. “Aquilo era o texto que eu tinha escrito, foi algo muito marcante porque, de algum modo, eu estava conectada com algo muito importante e que precisava ser dito.”

A pesquisa de Sílvia deu origem a “Senhora dos Extremos”, seu primeiro texto para teatro e que ganhou duas leituras dramáticas. No percurso, a então pós-graduanda teve a oportunidade de fazer trocas valiosas com a turma e com os professores. “Nosso grupo era pequeno, o que fazia com que todos ficássemos bem próximos durante a aula. Os alunos tinham muita vontade de compartilhar experiências e contribuir afetivamente uns com os outros.”

Já experiente em textos jornalísticos, Sílvia Garcia interessou-se pela dramaturgia – FOTO: ACERVO PESSOAL

Além da construção pessoal, a formação de Sílvia no Célia Helena rendeu avanços profissionais. Animada após o contato intenso com a arte da dramaturgia, ela agora analisa uma obra específica do escritor português Valter Hugo Mãe em um programa de mestrado.

O ex-aluno Bruno Perillo também passou por transformações ao cursar a pós em Atuação e Direção. Ele, que já tinha um trabalho reconhecido como ator, passou para o outro lado do balcão: concentrou-se nos estudos de encenação.

“Procurei o Célia justamente por isso: sempre tive vontade de desenvolver um trabalho artístico como encenador, pensando a peça como um todo, considerando o elenco e seus personagens”, explica. “E o time de professores é excelente! Todos os grandes nomes do teatro brasileiro estão lá ou passaram por lá.”

Bruno Perillo em ação na novela “Viver a Vida”: reconhecido como ator, passou a estudar direção – FOTO: DIVULGAÇÃO

Segundo Perillo, o grande trunfo do programa foi o repertório teórico. Ele lembra que, durante o curso, conseguiu se aprofundar em diversos temas. “Temos aula de direção de elenco, cenografia, iluminação, sonorização, teoria do teatro, história”, lembra. “São elementos que nem sempre aprendemos só com a prática. Quando estudamos pra valer, alcançamos outra dimensão da profissão.”

Após a conclusão do curso, Perillo dirigiu diversas peças. Os espetáculos “Ato a Quatro” e “A Vida em Vermelho” — este com Letícia Sabatella e Fernando Alves Pinto no elenco — são exemplos. “Todo o material que estudamos e aprendemos na pós serviram muito para esses trabalhos, deram outro alcance de comunicação entre diretor, equipe e elenco”, frisa.

Os programas de pós-graduação em Atuação e Direção e em Dramaturgia estão com inscrições abertas até a primeira semana de abril. Saiba mais sobre os cursos.

Page Reader Press Enter to Read Page Content Out Loud Press Enter to Pause or Restart Reading Page Content Out Loud Press Enter to Stop Reading Page Content Out Loud Screen Reader Support
Icone WhatsApp